Algumas conjecturas sobre a morte em "Grande Sertão: Veredas"

Tatiana Machado Boulhosa

Resumo


Grande Sertão: Veredas é o tipo de obra cuja multiplicidade intrínseca garante aexistência quase que retroalimentada de análises a partir dos mais diversos pontos de vista.Autores de renomada competência já ofereceram olhares psicanalíticos, literários e religiososque compõe o mosaico construído ao redor da obra prima de Guimarães Rosa. Este trabalhosegue essa última linha, a das interpretações a partir das inflexões religiosas que permeiam aobra. De maneira ainda mais específica, ele percorre o caminho das imagens e dos símbolos quese ligam à morte. Para isso, procuramos antes traçar algumas considerações, ainda quesuperficiais, sobre a morte, em si, dentro da lógica da cultura popular. Isso porque, embora amorte seja um denominador comum da humanidade, esse não é o caso domorrer, que, entendido quanto às maneiras de lidar com a morte, se constrói e sesolidifica nas fronteiras da cultura e, portanto, assume diferentes formas. A partirdisso, veremos então que, em Grande Sertão: Veredas, as mortes são tão partedo enredo que nem sempre chocam ou fazem pensar no mórbido, mas sãosempre tão encaixadas e ricamente contadas que não se pode ignorá-las oudeixar de se questionar sobre seus significados.

Palavras-chave


Grande Sertão: Veredas, morte, religiosidade e espiritualidade, símbolos.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.