Frei Agostinho da Cruz: um poeta para o nosso tempo

Ruy Ventura

Resumo


A presente comunicação evoca a figura do poeta franciscano Frei Agostinho da Cruz (1540 – 1619), no momento em que se comemoram os 400 anos da sua morte e os 480 do seu nascimento. Agostinho é apresentado como poeta actual cuja leitura é importante num momento civilizacional em que uma crise poliédrica precisa de directores que indiquem os melhores caminhos para alcançarmos a liberdade interior. Transcendendo os lugares comuns da poesia ao divino do seu tempo e mesmo uma linguagem quinhentista, o frade arrábido apresenta uma obra sólida e teotópica que, expondo sem rebuço os conflitos interiores e as psicomaquias do sujeito poético, reflecte sobre a erosão da dignidade humana durante “crise do renascimento”, propondo linhas de fuga universais e sempre contemporâneas, baseadas na “saudade de Deus”.

Palavras-chave


Arrábida – liberdade – saudade – crise – alegria – franciscanismo.

Texto completo:

PDF

Referências


AA. VV. (2002) – Bíblia Sagrada – versão dos textos originais. Lisboa / Fátima, Difusora Bíblica – Franciscanos Capuchinhos.

AA. VV. (2005) – Fontes Franciscanas I – S. Francisco de Assis. Braga, Editorial Franciscana.

Alighieri, Dante (1998) – A Divina Comédia. Trad. Vasco Graça Moura, Rio de Mouro, Círculo de Leitores.

Cummings, E. E. (1999) – livrodepoemas. Trad. Cecília Rego Pinheiro, Lisboa, Assírio & Alvim.

Cruz, Frei Agostinho da (2019) – Antologia Poética. Organização de Ruy Ventura, Évora, Editora Licorne.

Eco, Umberto (1990) – “La Edad Media ha comenzado ya” [1973]. La Nueva Edad Media, Madrid, Alianza Editorial.

Eliot, T. S. (1981) – Poesia. 4ª edição, trad. Ivan Junqueira, Rio de Janeiro, Nova Fronteira.

Eliot, T. S. (1984) – A Terra Sem Vida. Trad. Maria Amélia Neto, Lisboa, Edições Ática.

Faria, Daniel Augusto da Cunha (1999) – A vida e a conversão de Frei Agostinho: entre a aprendizagem e o ensino da Cruz. Lisboa, Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa.

Hölderlin, Friedrich (1999) – Elegias. Trad. Maria Teresa Dias Furtado, Lisboa, Assírio & Alvim.

Pascoaes, Teixeira de (1987) – Os Poetas Lusíadas. Lisboa, Assírio & Alvim.

Silva, Vítor Manuel Pires de Aguiar e (1971) – Maneirismo e Barroco na Poesia Lírica Portuguesa. Coimbra, Centro de Estudos Românicos.

Ventura, Ruy (2017) – A Chave de Sebastião da Gama. Évora, Editora Licorne / Associação Cultural Sebastião da Gama.




DOI: https://doi.org/10.23925/2236-9937.2021v23p233-245

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Filiada:

Apoio:


Teoliteraria está indexada em:

     

    

  

                         

 

 

 

 

 

Presença da Teoliteraria em Bibliotecas no exterior:

 

                         
                               
            
                        
                       
              
                              
                                          
                       
                
                             

 

           

  

 



  

     
 Está obra está licenciada sobre uma Creative Commons Attribution 4.0 International License.