«Silêncio de luz»: mística musical em Jorge de Sena

Ana Paixão

Resumo


O processo poiético de Jorge de Sena desvela, com frequência, diálogos semióticos com outras artes. Em obras como Metamorfoses ou Arte de Música, a palavra poética seniana mostra-se como uma «gruta povoada de ressonâncias» , como bem afirma Sophia de Mello Breyner numa carta a Jorge de Sena. A criação tem o seu ponto de partida na experiência estética, na fruição de signos de outras artes, que, depois de capturados, vibram em silêncio. Em permanente semiose peirciana, esses signos serão recriados em palavras habitadas por ressonâncias interartísticas. O «Silêncio de luz»  converte-se numa das etapas fundamentais da poiesis de Sena – é a pausa pregnante, da qual emerge o poema. Vestígios de escutas, resquícios de experiências auditivas ou visuais impregnam esse silêncio criador, onde o dizer é sempre vacilante e contingente: «Da música ao sentido, que palavra / preenche o vácuo de silêncio […]?» . O inexprimível wittgensteiniano revela-se sobretudo em relação à música. Arte alquímica e intangível, que simultaneamente (nos) toca e transcende, que sustenta a harmonia das esferas e sublima a teoria das cordas, numa mística musical insondável: "Se há mistério na grandeza ignota, / e se há grandeza em se criar mistério, / esta música existe para perguntá-lo"


Palavras-chave


Jorge de Sena, misticismo, intersemiótica, silêncio

Texto completo:

PDF

Referências


Jean Libis, «Inspiration musicale et composition littéraire» in Jean-Louis Cupers & Ulrich Weistein (orgs.), Word and Music Studies: Musico-Poetics in Perspective. Calvin S. Brown in Memoriam. Amsterdam, Atlanta: Rodopi, 2000

Luís Adriano Carlos, «Jorge de Sena: o Fogo Prodigioso», Letras & Letras, Ano I, 7, Porto, 1 de Junho de 1988

Nicolau de Cusa, A Douta ignorância. Trad., introdução e notas de João Maria André. Lisboa: FCG, 1997

ROSA, Harmurt, Résonance. Une sociologie de la relation au monde. Traduit de l’allemand par Sacha Zilberfarb, avec la collaboration de Sarah Raquillet. Paris : La Découverte, 2018

Santo Agostinho, Confissões. Tradução de Arnaldo do Espírito-Santo, João Beato e Maria Cristina Pimentel. Introdução de Manuel Barbosa Freitas. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2001

SENA, Jorge de, Perseguição. Cadernos de poesia. Lisboa: Moraes, 1942

SENA, Jorge de, Poesia I. Lisboa: Moraes Editores, 1977

Vladmir Jankélévitch, La Musique et l’Ineffable. Paris : Seuil




DOI: https://doi.org/10.23925/2236-9937.2021v23p221-232

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Filiada:

Apoio:


Teoliteraria está indexada em:

     

    

  

                         

 

 

 

 

 

Presença da Teoliteraria em Bibliotecas no exterior:

 

                         
                               
            
                        
                       
              
                              
                                          
                       
                
                             

 

           

  

 



  

     
 Está obra está licenciada sobre uma Creative Commons Attribution 4.0 International License.