Uma Reflexão acerca da fé no imaginário religioso popular brasileiro a partir da música “Se eu quiser falar com Deus” de Gilberto Gil

Delmo Gonçalves

Resumo


Resumo

 

 

O presente artigo busca refletir a fé com as riquezas do imaginário religioso brasileiro a partir da música, um de suas maiores expressões culturais na forma de construções poéticas. Através das músicas revelam-se as crenças e a religiosidade do Brasil neste caso especificamente a partir da música: “Se eu quiser falar com Deus” de Gilberto Gil. Considerando a riqueza imaginária com que se serve a religiosidade brasileira, observa-se que a música popular brasileira, se serve de toda esta riqueza em grande escala, dialogando com toda uma riqueza disponível a fim de se aproximar e falar de perto com a sociedade. Assim, o artista se faz humano e crente, ser comum, e ao mesmo tempo se vê no popular revelando-o como tal. Busca-se neste, refletir tal processo e, lendo a obra do compositor e cantor Gilberto Gil, sondar este imaginário religioso.


Texto completo:

PDF

Referências


ANTONIAZZI, Pe. Alberto. As Religiões no Brasil segundo o Censo de 2000. REVER – Revista de Estudos da Religião, n. 2, 2003. p. 75-80.

BACZKO, Bronislaw. A Imaginação Social. Enciclopédia EINAUDI. vol. 5. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1985.

BARROS, Manuel de Souza. Arte, Folclore, Subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1970.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Sacerdotes de viola: Os Rituais Religiosos do Catolicismo Popular em São Paulo e em Minas Gerais. Petrópolis: Vozes, 1981.

_________, Memórias do Sagrado: estudos de religião e ritual. São Paulo: Paulinas, 1985.

CESAR, Waldo. O que é “Popular” no Catolicismo Popular. Revista Eclesiástica Brasileira, vol. 36, fascículo 141, março de 1976.

CHARTIER, Roger. “Cultura Popular”: revisitando um conceito historiográfico. Estudos Históricos, vol. 8, n. 16. Rio de Janeiro, 1995.

DURKHEIM, Emile. Sociologia. São Paulo: Ática, 1988.

ELIADE, Mircea. Imagens e Símbolos. Lisboa: Arcádia, 1979.

______, Mircea. O Sagrado e o Profano: a Essência das Religiões. São Paulo: Martins Fontes, 2001. Os espaços da fé: um estudo sobre o campo religioso.

TEIXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata (orgs.). As religiões no Brasil: continuidades e rupturas. Petrópolis: Vozes, 2006.

MARTELLI, Stefano. A Religião na Sociedade Pós-Moderna. São Paulo: Paulinas, 1995.

PROTA, Leonardo & VÉLEZ RODRÍGUES, Ricardo. Aproximação Transcendental a Vivência Religiosa. In: Religião. Londrina: Eduel, 1997.

ROCHA, Rose M. Morin e Flusser: a teoria da imagem como aventura antropológica e matemática imaginária. Galáxia (São Paulo, Online), n. 25, p. 74-84, jun. 2013. Disponível em: http://revistas.pucsp.be/index. php/galaxia/article/viewFile. Acessado em 19 de fevereiro de 2019, as 22:00 hs.

SANCHIS, Pierre. Problemas na análise do campo religioso contemporâneo. In: MARIN, José Roberto (org.). Religiões, religiosidades e diferenças culturais. Campo Grande: UCDB editora, 2005.

VOVELLE, Michel. Ideologias e Mentalidades. São Paulo: Brasiliense, 1985.

WEBER, Max. Sociologia de la Religion. 1999. http://www.4shared.com/ file/34461679/b5472387/max_weber_-_sociologia_de_la_religion.html?s=1 [acesso em 15 de agosto de 2007].

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu (org). Identidade e diferença: A perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

https://www.letras.mus.br/gilberto-gil/16134/ acessado em 19 de fevereiro de 2019, às 19:07.

http://www.gilbertogil.com.br/sec_bio_2017. php. Acessado em 19 de fevereiro de 2019 as 19: 25 minutos.

http://www.escritaglobal.com.br/seu-eu-quiser-falar-com-deus-arte-degil_19.html. Acessado em 19 de fevereiro de 2019 às 19h4 1min.




DOI: https://doi.org/10.23925/2236-9937.2021v23p461-472

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Filiada:

Apoio:


Teoliteraria está indexada em:

     

    

  

                         

 

 

 

 

 

Presença da Teoliteraria em Bibliotecas no exterior:

 

                         
                               
            
                        
                       
              
                              
                                          
                       
                
                             

 

           

  

 



  

     
 Está obra está licenciada sobre uma Creative Commons Attribution 4.0 International License.