A Metafísica Poética de Machado de Assis e a sua relação com a filosofia brasileira

Alex Lara Martins

Resumo


A ficção de Machado de Assis possui vocação filosófica. O objetivo deste artigo é rastrear, a partir de sua obra poética, os elementos filosóficos de uma visão estética de mundo que se torna, na maturidade, cética e pessimista. Na primeira parte, analisam-se as poesias da juventude de Machado que apresentam temas marcadamente cristãos, cujos fundamentos teóricos partem da concepção teológica agostiniana que congregava as duas perspectivas adotadas pelo poeta: o ecletismo romântico e a escatologia soteriológica. Essa concepção teológica é construída de maneira indireta por meio da recepção dos Pensamentos de Pascal. A hipótese é de que a Machado pensa a poesia como uma estratégia metafísica de acesso à verdade. Na segunda parte, considera-se o desenvolvimento deste pensamento ficcional no contexto da filosofia brasileira oitocentista. A filosofia pascaliana é o eixo ao redor do qual os intelectuais brasileiros respondem a questões de ordem política, religiosa e econômica. Discute-se, ao fim, como Machado de Assis reconfigura, em sua obra de juventude, as suas três principais influências: Chateaubriand, Pelletan e Monte Alverne.


Palavras-chave


Machado de Assis; Teologia; Poesia; Filosofia; Ecletismo

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Chrysalidas. Rio de Janeiro: Garnier, 1864. Disponível em: http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_obrasraras/or60425/or60425.pdf. Acesso em 30 mar. 2019.

ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Obra completa em quatro volumes. 4 vols. Organização editorial Aluizio Leite, Ana Lima Cecílio, Heloisa Hahn. São Paulo: Nova Aguilar, 2015.

ALVERNE, Fr. Francisco do Monte. Obras Oratórias. Rio de Janeiro: Garnier, s.d. 2 v.

ALVERNE, Fr. Francisco do Monte. Compêndio de filosofia. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1859.

AUERBACH, Erich. “O triunfo do mal: ensaio sobre a teoria política de Pascal”. In: Ensaios de literatura Ocidental. Trad. Samuel Titan Jr. E José Marcos de Macedo. São Paulo: Duas Cidades/Ed. 34, 2007.

CHATEAUBRIAND, René. O génio do cristianismo. Trad. Camilo Castelo Branco. 2 v. Rio de Janeiro: W. M. Jackson, 1952.

COUSIN, Victor. Du vrai, du beau et du bien. 2. ed. Paris: Didier, 1854.

DURAN, Maria Renata da Cruz. “Frei Francisco do Monte Alverne, pregador imperial: roteiro para um novo estudo”. OPSIS – Revista do NIESC, v. 4, 2004.

MACEDO, Ubiratan Borges de. A ideia de liberdade no século XIX: o caso brasileiro. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1997.

MAGALHÃES, Gonçalves de. Suspiros poéticos, e saudades. Paris: Dauvin/Fontaine Libraires, 1836.

MAGALHÃES, Gonçalves de. Fatos do espírito humano. Petrópolis: Vozes/Academia Brasileira de Letras, 2004.

MARGUTTI PINTO, Paulo. História da filosofia do Brasil – o período colonial (1500-1822). São Paulo: Loyola, 2013.

MASSA, Jean-Michel. A juventude de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971.

MASSA, Jean-Michel. Outros textos encontrados de Machado de Assis. Machado Assis Linha. Rio de Janeiro, v. 6, n. 12, dez. 2013. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-68212013000200008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 30 mar. 2019.

PAIM, Antônio. História das idéias filosóficas no Brasil. 5. ed. rev. Londrina: UEL, 1997.

PASCAL, Blaise. Pensamentos. Tradução de M. Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PELLETAN, Eugène. Cartas a Lamartine – O mundo marcha. Traduzido por S. P. Nolasco. São Luis: Typ. B. de Mattos, 1866.

ROMERO, Sílvio. A filosofia no Brasil. In: _____. Obra Filosófica. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1969

VOLTAIRE. Lettre à Monsieur de Formont (1 jun. 1733). Disponível em: Acesso em 30 mar. 2019.




DOI: https://doi.org/10.23925/2236-9937.2021v23p473-502

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Filiada:

Apoio:


Teoliteraria está indexada em:

     

    

  

                         

 

 

 

 

 

Presença da Teoliteraria em Bibliotecas no exterior:

 

                         
                               
            
                        
                       
              
                              
                                          
                       
                
                             

 

           

  

 



  

     
 Está obra está licenciada sobre uma Creative Commons Attribution 4.0 International License.