O som secular da religião: elementos religiosos na linguagem aberta e estética da prosa-poética musical buarqueana

Ronaldo Cavalcante

Resumo


A obra musical de Chico Buarque vem sendo estudada durante as últimas décadas. Ela constitui um retrato do Brasil desde os anos 60 e continua atual, ainda que aborde temáticas não necessariamente políticas e de protesto. O seu valor estético é incomensurável. Não apenas pelo uso do nosso vocabulário esquecido, explorando suas filigranas, mas principalmente pela forma como tal vocabulário está utilizado, pelo mosaico que ele forma, possibilitando leituras as mais diversas possíveis – trata-se de uma obra aberta, na qual os limites entre o real e o ficcional são tênues. Nesse particular, o instrumental hermenêutico-semiótico e filosófico de Umberto Eco torna-se por demais útil para decifrar e compreender seus enigmas, que abrangem aspectos de intertextualidade literária, biográficos, políticos, de relacionamentos pessoais, de ética social e também religiosos na descrição do imaginário brasileiro, recorte que aqui escolhemos como fator de delimitação.

Palavras-chave


Chico Buarque; Umberto Eco; estética; obra aberta; linguagem religiosa;

Texto completo:

PDF

Referências


BUARQUE, Chico. LP – Construção, 1971.

BUARQUE, Chico. LP – Chico Buarque, 1978.

BUARQUE, Chico. CD – Chico Buarque, 1990.

BUARQUE, Chico. CD – Paratodos, 1993.

BUARQUE, Chico. CD – As Cidades, 2001.

BUARQUE, Chico. CD – Chico Buarque Carioca, 2006.

BUARQUE, Chico. CD – Chico, 2011.

BUARQUE, Chico e LOBO, Edu. LP – Grande Circo Místico, 1982.

BUARQUE, Chico e LOBO, Edu. LP – O Corsário do Rei, 1985.

BUARQUE, Chico e LOBO, Edu. CD – Álbum de Teatro. 1997.

CLARK PERES, Ana Maria. Chico Buarque: recortes e passagens. Belo Horizonte: UFMG, 2016.

ECO, Umberto. II problema estético in Tommaso d’Aquino. Milano: Bompiani, 1970.

ECO, Umberto. Os limites da interpretação. São Paulo: Perspectiva, 2004.

ECO, Umberto. Interpretação e superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

ECO, Umberto. Obra aberta: forma e indeterminações nas poéticas contemporâneas. São Paulo: Perspectiva, 2007.

ECO, Umberto. Arte e beleza na estética medieval. Rio de Janeiro: Record, 2010.

ECO, Umberto. Tratado geral de semiótica. São Paulo: Perspectiva/Edusp, 1991.

ECO, Umberto. Semiótica e filosofia da linguagem. São Paulo: Ática, 1991.

ECO, Umberto. A estrutura ausente. São Paulo: Perspectiva/Edusp, 1971.

ECO, Umberto. As formas do conteúdo. São Paulo: Perspectiva/Edusp, 1993.

FERNANDES, Rinaldo de (org.). Chico Buarque: o poeta das mulheres, dos desvalidos e dos perseguidos. São Paulo: Leya, 2013.

FONSECA, Aleilton. “Cálice que não se cala”. In: FERNANDES, Rinaldo de (org.). Chico Buarque: o poeta das mulheres, dos desvalidos e dos perseguidos. São Paulo: Leya, 2013.

HOLLANDA, Chico Buarque de. Tantas palavras. São Paulo: Cia das Letras, 2006.

HOMEM, Wagner. Histórias de canções: Chico Buarque. São Paulo: Leya, 2009.

JAKOBSON, Roman. “Linguística e poética”. In: Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1969.

KESKE, Humberto I. “Experiências interpretativas: a noção de recepção em Umberto Eco”. In: Revista Líbero – Ano X – nº 20 – Dez 2007.

KIRCHOF, Edgar R. As verdades da criação; uma abordagem estrutural de GN 1-2, 4a. São Leopoldo: Unisinos, 1999.

KIRCHOF, Edgar R. Umberto Eco e a estética semiótica. Prâksis (Novo Hamburgo), v. 1, p. 41-47, 2007.

LIMA Luiz C. “A Problemática Estética”. In: Estruturalismo e teoria da literatura. Petrópolis: Vozes, 1973.

LOCKE, John. Ensaio sobre o entendimento humano. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

MARCUSE, Herberth. Eros e civilização. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

MOUSINHO, Luiz A. “Palcos de um Planeta: “Beatriz” e O Grande Circo Místico”. In:

FERNANDES, Rinaldo de (org.). Chico Buarque: o poeta das mulheres, dos desvalidos e dos perseguidos. São Paulo: Leya, 2013.

NOGUEIRA, Paulo A. S. (org.). Linguagens da Religião. Desafios, métodos e conceitos. São Paulo: Paulinas, 2013.

NOGUEIRA, Paulo A. S. (org.). Religião e linguagem: abordagens teóricas interdisciplinares. São Paulo: Paulus, 2015.

NÖTH, Winfried e SANTAELLA, Lúcia. Introdução à semiótica. São Paulo: Paulus, 2017.

NÖTH, Winfried. A semiótica no século XX. São Paulo: ANNABLUME, 1996.

E. OBERTI. “Estética”. In: Sacramentum Mundi, vol 2: Enciclopedia Teológica. Barcelona: Herder, 1982.

PAREYSON, Luigi. Os problemas de estética. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

PERRONE, Charles A. Letras e letras da mpb. Rio de Janeiro: Elo, 1988.

PIERCE, Charles S. Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 1977.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, 2006.

SILVA, Fernando de B. e. Chico Buarque. São Paulo: Publifolha, 2004.

STARLING, Heoloisa M. M. Uma pátria paratodos: Chico Buarque e as raízes do Brasil. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2009.

TATIT, Luiz e LOPES, Ivã C. Elos de melodia & letra: análise semiótica de seis canções. Cotia-SP: Ateliê Editorial, 2008.

TATIT, Luiz. Análise semiótica através das letras. São Paulo: Ateliê Editorial, 2001.

VALLS, Alvaro L. M. Estudos de estética e filosofia da arte: numa perspectiva adorniana. Porto Alegre: UFRGS, 2002.

WISNIK, José Miguel. Sem receita: ensaios e canções. São Paulo: Publifolha, 2004.

ZAPPA, Regina. Chico Buarque: para todos. Rio de Janeiro Relume Dumará, 1999.




DOI: https://doi.org/10.19143/2236-9937.2018v8n16p322-347

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Filiada:

Apoio:


Teoliteraria está indexada em:

     

    

  

                         

 

 

 

 

 

Presença da Teoliteraria em Bibliotecas no exterior:

 

                         
                               
            
                        
                       
              
                              
                                          
                       
                
                             

 

           

  

 



  

     
 Está obra está licenciada sobre uma Creative Commons Attribution 4.0 International License.