Politeísmo, teísmo e panteísmo em O Homem que foi Quinta-feira de G.K. Chesterton

Arthur Grupillo

Resumo


Em O Homem Eterno, de 1925, Chesterton afirma que às vezes esquecemos que há emoção no teísmo. E que um romance no qual muitos personagens se revelassem o mesmo personagem “seria um romance emocionante”. Isto acende um lampejo de interpretação para o leitor de O Homem que foi Quinta-feira, romance policial publicado em 1907, no qual vários personagens que compõem o Conselho Anarquista Central vão se descobrindo, um a um, detetives disfarçados. O presidente, “Domingo”, por fim se revela o chefe de polícia que os designou para investigar, sem saber, apenas a si mesmos. Seguindo esta interpretação, os membros do Conselho, que recebem por codinomes os dias da semana (herdados dos deuses pagãos na maioria dos idiomas ocidentais), seriam apenas “deuses”, que nada mais são do que disfarces de uma mesma ideia fundamental, Deus, personificado por “Domingo”. Mas uma leitura atenta da obra mostra que “Domingo” é um personagem ambíguo, que ora demonstra características de Deus, ora da Natureza, e que, por isso, O Homem que foi Quinta-feira não deve ser tomado simplesmente como exemplo do pensamento de Chesterton, sendo mais adequado interpretá-lo como resposta a um pessimismo que rondava o autor à época, mas ainda não alicerçada no espírito da Ortodoxia, obra-prima de sua teologia.


Palavras-chave


Chesterton; romance policial; Deus; Natureza; ortodoxia

Texto completo:

PDF

Referências


Bíblia de Jerusalém, A. São Paulo: Sociedade Bíblica Católica Internacional/Paulus, 1995.

BOYD, Ian. C.S.B. “Editorial”. In: The Chesterton Review. Edição Especial em Português. V.III, n.2, 2013.

CHESTERTON, G.K. Autobiografia. Campinas: Ecclesiae, 2012.

CHESTERTON, G.K. O Homem que foi Quinta-feira (Um Pesadelo). Trad. José Laurênio de Mello. Rio de Janeiro: Agir, 1967.

CHESTERTON, G.K. O Homem Eterno. São Paulo: Mundo Cristão, 2010.

CHESTERTON, G. K. Ortodoxia. São Paulo: Mundo Cristão, 2008.

CHESTERTON, G.K. The Man Who Was Thursday – A Nightmare. New York: Dover Publications, 1986.

HEGEL, G.W.F. Fenomenologia do Espírito. Petrópolis: Vozes, 2002.

HEGEL, G.W.F. Introdução à História da Filosofia. Lisboa: Edições 70, 2006.

KER, Ian. G.K. Chesterton: A Biography. Oxford: Oxford University Press, 2011.

LUFT, E. & CIRNE-LIMA, C. Ideia e Movimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

MILBANK, J. Teologia e Teoria Social. São Paulo: Loyola, 1995.

PEPERZAK, Adrien T.B. Le jeune Hegel et la vision morale du monde. La Haye: Matinus Nijhoff, 1960.

WAHL, Jean. Le Malheur de la Conscience dans la Philosophie de Hegel. Paris: Press Universitaires de France, 1951.

WILLIAMSON, Raymond K. Introduction to Hegel’s Philosophy of Religion. New York: State University of New York Press, 1984.

ŽIŽEK, Slavoj. “Hegel – Chesterton: German Idealism and Christianity”. The Symptom. Issue 7, 2006; disponível em < http://www.lacan.com/zizhegche.htm>. Acesso em: jan. 2013.

ŽIŽEK, Slavoj. The Puppet and the Dwarf: The perverse core of Christianity. Cambridge/London: The MIT Press, 2003.

ŽIŽEK, S. & MILBANK, J. The Monstrosity of Christ: Paradox or Dialetic? Cambridge/London: The MIT Press, 2009.




DOI: https://doi.org/10.19143/2236-9937.2018v8n16p348-372

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Filiada:

Apoio:


Teoliteraria está indexada em:

     

    

  

                         

 

 

 

 

 

Presença da Teoliteraria em Bibliotecas no exterior:

 

                         
                               
            
                        
                       
              
                              
                                          
                       
                
                             

 

           

  

 



  

     
 Está obra está licenciada sobre uma Creative Commons Attribution 4.0 International License.