A cintilância dos escuros

Cleide Maria de Oliveira

Resumo


O artigo buscou perceber na poética de Manoel de Barros os motivos obscuridade, ignorãça e desutilidade, freqüentes em sua na obra, que parecem ser marcas de um esforço para pensar o que nos excede enquanto projeto e discurso, e de desejar “atingir a pureza de não se saber mais nada” (BARROS, 2003, p.29). A análise de fragmentos selecionados de sua poesia busca aproximá-lo de uma tradição místico-apofática onde a negatividade (expressa nas metáforas da escuridão, do vazio e do deserto freqüentes nos discursos místicos) é tomada como intrínseca ao exercício reflexivo sobre os fundamentos de nossa realidade.

Palavras-chave: Manuel de Barros, obscuridade, poesia negativa, mística


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19143/2236-9937.2016v1n2p161-175

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Filiada:

Apoio:


Teoliteraria está indexada em:

     

    

  

                         

 

 

 

 

 

Presença da Teoliteraria em Bibliotecas no exterior:

 

                         
                               
            
                        
                       
              
                              
                                          
                       
                
                             

 

           

  

 



  

     
 Está obra está licenciada sobre uma Creative Commons Attribution 4.0 International License.