A voz do cantor Roberto Carlos: avaliação perceptivo-auditiva de canções de diferentes décadas

Sônia Cristina Coelho Oliveira, Maria Fernanda de Queiroz Prado Bittencourt, João Carlos Lopes, Marta Assumpção de Andrada e Silva

Resumo


Objetivo: Descrever a voz do cantor Roberto Carlos por meio de avaliação perceptivo-auditiva de parâmetros determinados em canções escolhidas que foram lançadas ao longo das décadas de 60 a 90. Métodos: Oito canções representativas da carreira do cantor foram selecionadas para a avaliação perceptivo-auditiva descritiva da voz, sendo duas delas de cada década. Resultados: Roberto Carlos manteve a coordenação pneumofonoarticulatória, loudness variou de adequada para forte; pitch variou de médio para agudo a médio; articulação precisa; ataque vocal variou de brusco para suave; voz sem brilho; a ressonância laringofaríngea teve maior variação, sendo esta com foco nasal compensatório, com foco nasal acentuado e com foco nasal discreto, registro vocal modal peito, sem projeção, vibrato ausente, tessitura restrita, qualidade vocal adaptada, adaptada com tensão, e adaptada com discreta soprosidade. Conclusão: Na avaliação perceptivo-auditiva algumas características se mantiveram inalteradas, como coordenação pneumofonoarticulatória, a articulação precisa, o registro vocal modal de peito, a voz sem brilho e sem projeção, a ausência de vibrato e a tecitura restrita. Houve variação em relação ao pitch, a loudness, o ataque vocal a ressonância foi caracterizada laringofaríngea com variações em relação ao foco nasal. As maiores mudanças observadas na voz do cantor no decorrer das décadas recaem sobre a variação de gêneros musicais cantados pelo cantor.


Palavras-chave


Voz; Qualidade da voz; Canto; Música, Fonoaudiologia

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Araújo PC. Roberto Carlos em Detalhes. 1ª ed. Rio de Janeiro: Planeta; 2006.

Oliveira SCC. A voz de Roberto Carlos: avaliação perceptivo-auditiva, análise acústica e a opinião do público [dissertação]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; 2007.

Zan JR. Música popular brasileira, indústria cultural e identidade. EccoS Rev. Cient. 2001: 1(3): 105-22

Zan JR. Jovem Guarda: música popular e cultura de consumo no Brasil dos anos 60. Música Popular em Revista. 2013; 2(1): 99-124.

Araujo PC. O réu é o rei. São Paulo: Companhia das Letras; 2014, p. 12-26.

Andrada e Silva MA, Loiola CM, Bittencourt MFQP, Ghirardi ACAM. Trabalho fonoaudiológico com cantores. In: Oliveira IB, Almeida AAF, Raize T, Behlau M. Atuação Fonoaudiológica em Voz Profissional. São Paulo: Gen/ROCA, 2011. p. 141-57.

Drumond LB, Vieira NB, Oliveira DSF. Produção fonoaudiológica sobre voz no canto popular. J Soc Bras Fonoaudiol. 2011; 23(4): 390-7.

Tafarelo AC. Análise comparativa dos parâmetros vocais do cantor Roberto Carlos em versão da Jovem Guarda e em versão atual [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; 2003.

Andrada e Silva MA, Ferreira LP, Costa HO. Caracterização de um grupo de cantores da noite: um enfoque fonoaudiológico. Acta ORL. 2008; 26(4): 231-4

Andrada e Silva MA. Expressividade no canto. In: Kyrillos LR. Expressividade: da teoria à prática. São Paulo: Revinter, 2005, p.91-103.

Andrada e Silva, MA, Duprat, AC. Voz cantada. In: Ferreira LP, Befi-Lopes DM, Limongi SCO. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Roca; 2004. p.177-94.

Barreto TMM, Amorim GO, Trindade Filho EM, Kanashiro CA. Perfil da saúde vocal de cantores amadores de igreja evangélica. ACR. 2011; 16(2): 140-5

Zimmer V, Cielo CA, Ferreira FM. Comportamento vocal de cantores populares. Rev CEFAC. 2012; 14(2): 298-307.

Dassie-Leite AP, Duprat AC, Busch R. Comparação de hábitos de bem-estar vocal entre cantores líricos e populares. Rev CEFAC. 2011; 13(1): 123-31.

Lopes, LW, Lima, ILB. Características Vocais de Cantores Populares da Cidade de João Pessoa. R Bras Ci Saúde. 2014; 18(1): 21-6.

Pacheco COLC, Marçal M, Pinho SMR. Registro e cobertura: arte e ciência no canto. Rev CEFAC. 2004; 6(4): 429-35.

Beber BC, Cielo CA. Características vocais acústicas de homens com voz e laringe normal. Rev CEFAC. 2011; 13(2): 340-51.

Oliveira AP. Resenha: Brutalidade Jardim: a Tropicália e o surgimento da contracultura brasileira. Interseções: Revista de Estudos Interdisciplinares (UERJ). 2012; 13(2): 401-5.

Andrade MZ. Jovem Guarda Além do iê iê iê: Estilo de Vida Jovem nos Anos 1960. In: Anais do XIX Encontro Regional de História: Poder, Violência e Exclusão; [CD-ROM]; 8-12 set 2006; São Paulo (SP): Associação Nacional de História - Seção São Paulo (ANPUH/SP) – Universidade de São Paulo.

Guzman M, Lanas A, Olavarria C, Azocar MJ, Muñoz D, Madrid S, Monsalve S, Martinez F, Vargas S, Cortez P, Mayerhoff RM. Laryngoscopic and spectral analysis of laryngeal and pharyngeal configuration in non-classical singing styles. J Voice. 2015; 29 (1): 130e21-8

Herbst CT, Hertegard S, Zangger-Borch D, Lindestad PA. Freddie Mercury-acoustic analysis of speaking fundamental frequency, vibrato, and subharmonics. Logoped Phoniatr Vocol. 2016; 15:1-10.

Siracusa MGP, Oliveira G, Madazio G, Behlau M. Efeito imediato do exercício sonorizado na voz do idoso. J Soc Bras Fonoaudiol. 2013; 23(1): 27-31.

Andrada e Silva MA, Duprat A, Ghirardi ACAM, Noffs G, Bittencourt MFQP. Ambulatório de Artes Vocais da Santa Casa de São Paulo: reflexões sobre a relação do cantor com o trabalho. In: Ferreira LP, Andrada e Silva MA, Giannini SPP. (Org.). Distúrbio de voz relacionado ao trabalho: práticas fonoaudiológicas. São Paulo: Roca, 2014. p. 279-90.

Borch DZ, Sundberg J. Some phonatory and resonatory characteristics of the rock, pop, soul, and Swedish dance band styles of singing. J Voice. 2011; 25(5): 532-7.

Gusmão CS, Campos PH, Maia COM. O formante do cantor e os ajustes laríngeos. Per Musi. 2010; 21: 45-50.

Guzman M, Barros M, Espinoza F, Herrera A, Parra D, Munõz D, Lloyd A. Laryngoscopic, acoustic, perceptual and functional assessment of voice in rock singers. Folia Phoniatr Logop. 2013; 65(5): 248-56.

Hanayama EM, Camargo ZA, Tsuji DH, Pinho SMR. Metallic Voice: Physiological and Acoustic Features. J Voice. 2009; 23(1): 62-70.

Fadel CBX, Dassie-Leite AP, Santos RS, Rosa MO, Marques JM. Características acústicas da qualidade vocal metálica. CODAS. 2015; 27(1): 97-100.

Guzman M, Rubin A, Munoz D, Jackson-Menaldi C. Changes in glottal contact quotient during resonance tube phonation and phonation with vibrato. J Voice. 2013; 27(3): 305-11.

Silva ACSL, Caçador LS, Ribeiro LL. O vibrato de cantores profissionais da música gospel. Rev CEFAC. 2014; 16(4): 1255-65.




DOI: https://doi.org/10.23925/2176-2724.2021v33i2p322-329

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.