Afasia e inclusão social: panorama brasileiro na Fonoaudiologia

Elisabeth Araujo de Abreu, Daiana Moraes Balinha, Maria Lucia Gurgel da Costa, Lenisa Brandão

Resumo


Introdução: Os impactos da afasia vão além de alterações de linguagem ou comunicação, afetando a qualidade de vida e a participação social. Faz-se necessário, portanto, que o fonoaudiólogo atue de forma interdisciplinar e amplie seu escopo de atuação na terapia das afasias, indo além de uma perspectiva que foca majoritariamente na correção de déficits linguísticos. Esta comunicação discute a importância de metas de incentivo à inclusão social e aponta caminhos para melhor atender às demandas dessa população. Objetivo: Discutir o trabalho do fonoaudiólogo no que tange a metas de enfrentamento dos impactos sociais da afasia. Método: Revisão não sistemática de literatura. São discutidos temas ligados à inclusão social e apresentadas iniciativas nacionais que promovem a participação social da pessoa com afasia. Resultados: Apesar das lacunas ainda existentes, as ações crescentes de diversos grupos de convivência, a criação de associações e as campanhas de conscientização da população apontam para importantes sinais de  mudança no escopo de atuação do fonoaudiólogo junto a essa população. Conclusão: Há um crescimento das intervenções em grupo e valorização de atividades artísticas oferecidas junto a pessoas que vivem com afasia. Os estudos sobre tais intervenções demonstram impactos positivos na qualidade de vida, participação social e funcionalidade da comunicação dessa população. São necessários esforços no sentido de trabalhar com a família e com a sociedade, bem como ampliar políticas públicas e oferecer serviços que promovam a inclusão social da pessoa com afasia. 


Palavras-chave


Afasia; Qualidade de Vida; Participação Social

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Carod-Artal FJ, Trizotto DS, Coral LF, Moreira CM. Determinants of quality of life in Brazilian stroke survivors. J Neurol Sci. 2009; 284(1-2): 63-8.

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Acidente Vascular Cerebral. Brasília. 2013 [acesso em 22 de julho de 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_reabilitacao_acidente_vascular_cerebral.pdf

Chapey R, Ducha JF, Elman RJ, Garcia LJ, Kagan A, Lyon JG, Simmons-Mackie N. Life Participation Approach to Aphasia: A Statement of Values for the Future. ASHA Lead. 2000; 5(3): 4-6.

Kagan A, Simmons-Mackie N. Counting what counts: A framework for capturing real-life outcomes of aphasia intervention. Aphasiology. 2008; 22(3): 258-80.

Trebilcock M, Worrall L, Ryan B, Shrubsole K, Jagoe C, Simmons-Mackie N. Increasing the intensity and comprehensiveness of aphasia services: identification of key factors influencing implementation across six countries. Aphasiology. 2019; 33(7): 865-87.

Foster A, O’Halloran R, Rose M, Worrall L. “Communication is taking a back seat”: Speech pathologists’ perceptions of aphasia management in acute hospital settings. Aphasiology. 2014; 30(5): 585-608.

Doedens WJ, Meteyard L. Measures of functional, real-world communication for aphasia: a critical review. Aphasiology. 2020; 34(4): 492-514.

Galli JFM, Oliveira JP, Deliberato D. Introdução da comunicação suplementar e alternativa na terapia com afásicos. Rev. soc. bras. fonoaudiol. [periódico na Internet]. 2009 [acesso em 21 de Julho de 2020]; 14(3): [aproximadamente 10 p.]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-80342009000300018&lng=en

Morato EM. Das relações entre linguagem, cognição e interação - algumas implicações para o campo da saúde. Linguagem em (Dis)curso. 2016; 16(3): 575-90.

Simmons-Mackie N, Raymer A, Cherney LR. Communication partner training in aphasia: an updated systematic review. Arch of Phys Med Rehabil. 2016; 97(12): 2202-21.

Perkins DD, Zimmerman MA. Empowerment theory, research, and application. Am J Community Psychol. 1995; 23(5): 569-79.

Bampi, LNS, Guilhem, D, Alves, ED. Modelo social: uma nova abordagem para o tema deficiência. Rev Lat Am Enfermagem. 2010; 19(4): 1-9.

Manning M, MacFarlane A, Hickey A, Franklin S. Perspectives of people with aphasia post-stroke towards personal recovery and living successfully: A systematic review and thematic synthesis. PLoS One [periódico na Internet]. 2019 [acesso em 21 de julho de 2020]; 14(3): [aproximadamente 22 p.]. Disponível em: https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0214200

Avejonas DRM. Consciência em afasia e atenção à saúde. Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 22 a 25 de setembro de 2013; Porto de Galinhas. São Paulo: Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia; 2013.

Pommerehn J, Delboni MCC, Fedosse E. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde e afasia: um estudo da participação social. CoDAS [periódico na Internet]. 2016 [acesso em 2 de junho de 2020]; 28(2): [aproximadamente 9 p.]. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-17822016000200132

Brasil. Projeto de Lei n° 311, de 2018. Altera a Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015 (Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência), para incluir as dificuldades de comunicação e expressão no rol dos impedimentos que caracterizam a pessoa com deficiência Brasília: Senado Federal; 2018 [acesso em 2 de junho de 2020]. Disponível em: https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/133715

Mackay R. ‘Tell them who I was’[1]: the social construction of aphasia. Disabil Soc. 2003; 18(6): 811-26.

Santana AP. Group treatment in the context of aphasia. Distúrbios Comun. 2015; 27(1): 4-15.

Lima RR, Massi GA, Guarinello AC, Silveira NC, Cuozzo LG, Weber AH, Cabral NL, Lima HN. The impact of group therapy for aphasia on quality of life. Aphasiology. 2018; 32(1): 126-7.

Costa MLG, Vitor MVS, Pereira VPN, Marinho. Dêixis referencial no discurso de um Grupo de Convivência de Afásicos. Let Hoje. 2013; 48(1): 68-73.

Pinto RCN, Lima AR. Centro de Convivência de Afásicos (CCA): o trabalho com a linguagem em uma perspectiva interdisciplinar. XXVII Congresso da Associação Latinoamericana de Sistemas de Saúde; 21 a 23 de julho de 2016; Brasília. Brasília: Actas CALASS; 2016.

Schell MHB, Cordeiro DT, Machado NAF, Dias AM, Santos M, Rocha S, Galvan TD. A reconquista da autonomia do afásico na construção de uma associação: relato de experiência. XXII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 08 a 11 de outubro de 2014; Joinville. Joinville: Anais do XXII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2014.

Brandão L, Bauer MA, Duarte-Junior S. O grupo afásico como experiência de mudança paradigmática na reabilitação. In: Fontoura DR, Rodrigues JC, Fonseca RP, Parente MAMP, Salles JF, editores. Teoria e Prática na Reabilitação Neuropsicológica. São Paulo: Vetor; 2017. p.10-30.

Tubero AL. Portal da Afasia [homepage na Internet]. São Paulo: Portal da Afasia; c2011-02 [atualizada em 2020 Maio 29; acesso 2020 Junho 02]. Disponível em: https://www.afasia.com.br

Kerr MS. Rede Afasia Brasil [homepage na Internet]. São Paulo: Rede Afasia Brasil, c2016-02 [atualizada 2020 Maio 29; acesso em 2020 Junho 02]. Disponível em: http://redeafasiabrasil.com.br

Morris JH, Kelly C, Joice S, Kroll T, Mead G, Donnan P, Toma M & Williams B. Art participation for psychosocial wellbeing during stroke rehabilitation: a feasibility randomised controlled trial. Disabil Rehabil. 2019; 41(1): 9-18.

Kongkasuwan R, Kotchakorn V, Prim P, Pichai M, Jiraporn B, & Vilai K. Creative Art Therapy to Enhance Rehabilitation for Stroke Patients: A Randomized Controlled Trial. Clin Rehabil. 2016; 30(10): 1016–23.

Monje RYPR. O ser em cena: afásico e cuidador no cenário da vida [Tese de Doutorado]. São Paulo (SP): Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; 2007.

Malachias AR, Gushiken L. Redescobrindo a fala: intervenção teatral com pacientes afásicos atendidos no município de São Vicente. BIS, Bol Inst Saúde. 2017; 18(supl.): 61-3.

Duarte JS, Rocha JS, Brandão L. A prática da arte clownesca pela pessoa com afasia. Rev. CEFAC. No prelo 2020.




DOI: https://doi.org/10.23925/2176-2724.2021v33i2p349-356

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.