Oficina de linguagem na atenção psicossocial: vez e voz do sujeito

Elaine Herrero, Ruth Ramalho Ruivo Palladino

Resumo


Introdução: A oficina de linguagem, tecnologia, por excelência, de trabalho com a saúde mental, é constituída por três pilares: protagonismo, potência criadora e a própria linguagem, como espaço de empoderamento. Objetivo Verificar a percepção dos participantes sobre os efeitos da oficina de linguagem, objeto deste estudo. Método: Foi feito um estudo transversal, descritivo, por meio da introdução de uma temática específica nas rodas de conversa da oficina em questão durante o período do recorte. As sessões foram filmadas por doze semanas, e as rodas de conversa foram transcritas. Utilizou-se a análise de conteúdo do tipo temática para análise e interpretação dos dados obtidos dos discursos dos seus participantes que exibiam a diversidade postulada em termos de idade, gênero, condição social e saúde. Resultados: Três categorias temáticas foram identificadas e selecionadas por sua relevância: enlaçamento social, protagonismo subjetivo e circulação discursiva. Conclusões: Os resultados apontam narrativas de empoderamento que as vivências da oficina proporcionam, com clara expressão de reconhecimento da assunção ao lugar de falante por todos, posicionamento fundamental para a possibilidade de alcançar vez e voz nas suas relações sociais.


Palavras-chave


Saúde Mental; Linguagem; Empoderamento; Centros de Convivência e Lazer; Grupos de Treinamento de Sensibilização

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Foucault M. História da loucura: na idade clássica. 2ªed. São Paulo: Ed. Perspectiva; 1987.

Amarante P. A (clínica) e a Reforma Psiquiátrica. In: Amarante P (coord.) Archivos de Saúde Mental e Atenção Psicossocial. Rio de janeiro: Nau Editora, 2003. p. 45-65.

Yasui S, Luzio CA, Amarante P. Atenção Psicossocial e Atenção Básica: a vida como ela é no território. Rev. polis psique. [periódico na Internet] 2018 [acesso em: 07 de maio 2020]; 8 (1): 173-90. Disponível em: http://dx.doi.org/10.22456/2238-152X.80426.

Tenório F. A reforma psiquiátrica brasileira da década de 1980 aos dias atuais: história e conceitos. Hist. ciênc. saúde-Manguinhos. [periódico na Internet] 2002 [acesso em 21 de abril 2020]; Jan-Abr; 9 (1):25-59. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702002000100003&lng=pt&nrm=iso.

Ferigato SH; Carvalho SR; Teixeira RR. Os Centros de Convivência: Dispositivos híbridos para a produção de redes que extrapolam as fronteiras sanitárias. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental [periódico na Internet] 2016 [acesso em 14 de abril 2020]; 8 (20):79-100. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-21472016000300006&lng=pt&nrm=iso

Grupo de Trabalho Intersetorial Cultura, Cidadania e Saúde Mental, Prefeitura do Município de São Paulo. Normatização das Ações nos Centros de Convivência e Cooperativas Municipais. In: Conselho Regional de Psicologia de São Paulo. Centros de Convivência e Cooperativa. Conselho Regional de Psicologia de São Paulo. Série - Cadernos Temáticos CRP SP, vol.15. São Paulo: CRP – SP; 2015. p. 37-88.

Galletti MC. Qual o lugar dos Centros de Convivência na Rede Substitutiva. In: Conselho Regional de Psicologia de São Paulo. Centros de Convivência e Cooperativa. Conselho Regional de Psicologia de São Paulo. Série - Cadernos Temáticos CRP SP, vol.15. São Paulo: CRP – SP; 2015. p. 19-22.

César JM. Processos Grupais e o Plano Impessoal: A Grupalidade Fora No Grupo [dissertação]. Niterói: Universidade Federal Fluminense; 2008

Galletti MC. Oficina em saúde mental: Instrumento terapêutico ou intercessor clínico? [dissertação]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; 2001.

Botti NCL. Oficinas em Saúde Mental: história e função. [Tese]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, USP; 2004.

Spink MJ, Menegon VM, Medrado B. Oficinas como estratégias de pesquisa: articulações teórico-metodológicas e aplicações ético-políticas. Psicologia & Sociedade (Online). [periódico na Internet] 2014 [acesso em 19 de set 2019]; 26(1):32-43. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822014000100005&lng=pt&nrm=iso.

Amarante P, Novos sujeitos, novos direitos: o debate em torno da reforma psiquiátrica. Cad. Saúde Pública. [periódico na Internet] 1995 [acesso em 27 de jan 2020]; Jul-Set; 11 (3) [aproximadamente 4 p.]. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X1995000300024&lng=pt&nrm=iso.

Kupfer MCM. O Sujeito na Psicanálise e na Educação: bases para a educação terapêutica. Educação e Realidade. 2010; 35(1): 265-81 Jan-Abr.

Lajonquière, L. A Psicanálise e o debate sobre o desaparecimento da Infância. Educação e Realidade. 2006; 31: 89-106,

Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2016.

Groisman ML, Jerusalinsky A,. Terapêutica da linguagem: entre a voz e o significante. In: Jerusalinsky, A. Psicanálise e desenvolvimento infantil: um enfoque transdisciplinar. Porto alegre: Artes Médicas, 1989. p.136-49.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011

Carneiro SR, Falcone E, Clark C, Del Prette Z, Del Prette A. Qualidade de vida, apoio social e depressão em idosos: relação com habilidades sociais. Psicol. Reflex Crit. [periódico na Internet] 2007 [acesso em 30 de abril 2020]; 20(2): 229-37. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722007000200008&lng=pt&nrm=iso

Teng CT, Humes EC, Demétrio FN. Depressão e comorbidades clínicas. Rev Psiquiatr Clin [periódico na Internet] 2005 [acesso em 30 de abril 2020]; 32(3): 149-59. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832005000300007&lng=en&nrm=iso

Oliveira DAAP, Gomes L, Oliveira FR. Prevalência da depressão em idosos que frequentam centros de convivência. Rev. Saude Publica [periódico na Internet] 2006 [acesso em 04 de dez 2018]; 40(4): 734-6. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102006000500026&lng=pt&nrm=iso.

Colvero LA, Ide CAC, Rolim MA. Família e doença mental: a difícil convivência com a diferença. Rev Esc Enferm USP [periódico na Internet] 2004 [acesso em 30 de abril 2020]; 38(2): 197-205. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342004000200011&lng=pt&nrm=iso

Silva de Souza M, Nunes Baptista M, Silva Alves GA. Suporte familiar e saúde mental: evidência de validade baseada na relação entre variáveis. Aletheia. [periódico na Internet] 2008 Dez [acesso em 07 de maio 2020]; (28): 32-44. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942008000200005&lng=pt.

Pinho LB, Hernández AMB, Kantorski LP. Reforma psiquiátrica, trabalhadores de saúde mental e “parceria” da família: o discurso do distanciamento. Interface (Botucatu, Online) [periódico na Internet] 2010 [acesso em 30 de abril 2020]; 14: 103-13. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832010000100009&lng=pt.

Banquero RV. Empoderamento: instrumento de emancipação social? Uma discussão conceitual. Revista Debates (Porto Alegre. Online) [periódico na Internet] 2012 [acesso em 30 de abril 2020]; 6(1): 173-81. Disponível em: https://doi.org/10.22456/1982-5269.26722

Filippon J, Kantorski LP. Humanização de loucura, em busca do humano que dialoga com a saúde. Physis (Rio J.). [periódico na Internet] 2012 [acesso em 02 de maio 2020]; 22(2): 569-680. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312012000200014&lng=pt&nrm=iso

Corcione D. Fazendo oficina. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Ver – SUS Brasil: cadernos de textos / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Departamento de Gestão da Educação na Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2004. p. 32-5.

Mendonça TCP. As oficinas na saúde mental: relato de uma experiência na internação. Psicologia - Ciencia e Profissao [periódico na Internet] 2005 [acesso em 26 de nov 2019]; 25(4): 626-35 Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932005000400011&lng=pt&nrm=iso

Beckert M, Irigaray TQ, Trentini CM. Qualidade de vida, cognição e desempenho nas funções executivas de idosos. Estud.psicol. (Campinas). [periódico na Internet] 2012 [acesso em 30 de abril de 2020]; 29(2): 155-62. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2012000200001&lng=pt&nrm=iso

Lier DeVitto MF, Carielo da Fonseca S. Reformulação ou ressignificação? Cad. Estud. Linguíst. (Online) [periódico na Internet] 1997 [acesso em: 01 de julho de 2020]; 33: 51-60. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8637095

Onocko-Campos RT, Furtado JP. Narrativas: utilização na pesquisa qualitativa em saúde. Rev Saude Publica [periódico na Internet] 2008 [Acesso em 26 de nov. de 2019]; 42(6): 1090-6. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-89102008005000052




DOI: https://doi.org/10.23925/2176-2724.2021v33i2p265-278

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.