Itinerário terapêutico de pacientes com deficiência auditiva

Kenia Isabella de Souza, Camila Ferreira Ambrosio, Teresa Maria Momensohn Santos

Resumo


Introdução: As ações do serviço de saúde auditiva são executadas pela atenção básica, média e alta complexidade de maneira hierarquizada, organizada para facilitar o diagnóstico, recuperação e reabilitação. Conhecer o itinerário percorrido pelo usuário pode influenciar a solução adotada e identificar dificuldades ao diagnóstico precoce. Objetivo: Analisar o itinerário terapêutico e perfil dos pacientes diagnosticados com deficiência auditiva de um serviço de Saúde Auditiva Microrregional de Minas Gerais. Método: Análise descritiva retrospectiva dos dados de prontuários do serviço auditivo de Sete Lagoas, de 189 sujeitos que receberam aparelho auditivo pelo Serviço Único de Saúde entre os anos de 2018/2019 no serviço de referência em Média Complexidade da Microrregião. Observa-se maior número de usuários com idade superior a 60 anos em Sete Lagoas e também na microrregião. A classificação quanto a sexo demonstra predomínio de mulheres em toda área de atendimento, e, principalmente, no município de Sete Lagoas. Resultados: A análise do itinerário mostra que o tempo entre a chegada ao serviço de saúde auditiva e as etapas de pré molde, teste e entrega do aparelho auditivo é menor para crianças do que para adultos e idosos. Conclusão: O itinerário percorrido pelos pacientes interfere em maior aproveitamento do aparelho auditivo e adaptação adequada devido ao tempo de espera e distância percorridos. Adultos e idosos têm maior itinerário em relação às crianças.


Palavras-chave


Perda Auditiva; Acesso aos Serviços de Saúde; Saúde Pública

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Ministério da Saúde. Portaria nº 2.073, de 28 de setembro de 2004. Brasília: Ministério da Saúde; out 2004.

Ministério da Saúde. Saúde auditiva. Portarias de saúde auditiva. Brasília: Ministério da Saúde; out 2004.

Teixeira CF. Estudo avaliativo da política de atenção à saúde auditiva: estudo de caso em Pernambuco [tese]. Recife: Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz; 2007.

Maciel FJ, Januário GC, Henriques CMA, Esteves CC, Silva MA, Carvalho SAS, Lemos SMA ACR. Indicadores de saúde auditiva em Minas Gerais – um estudo por macrorregião. 2013; 18(4): 275-84.

Cook JA, Hawkins DB. Outcome measurement for patients receiving hearing aid services. Laryngoscope. 2007; 117(4): 610-3.

Tamaki EM, Tanaka OY, Felisberto E, Alves CKA, Drumond Junior M, Bezerra LCA, et al. Metodologia de construção de um painel de indicadores para o monitoramento e avaliação da gestão do SUS. Ciênc Saúde Colet. 2012; 17(4): 839-494.

Brustolin AFF. Therapeutic itinerary of elderly cancer survivors. Acta paul. enferm. 2017; 30(1): -59.

Pinho PA, Pereira PPG. Therapeutic itineraries: paths crossed in the search for care. Interface - Comunic, Saude, Educ. 2012; 16(41): 435-47.

Aquino RCA, Lima MLLT, Silva VL, Alencar FL, Rodrigues M. Therapeutic itinerary and access to health services in cases oral cancer deaths. Rev. CEFAC. 2018 Set-Out; 20(5): 595-603.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (página da internet), Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 01 de julho de 2019. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/institucional.

Rota Mapas. (página da internet). Acesso em 06 de maio de 2020. Disponível em: https://www.rotamapas.com.br/minas-gerais. Brasil

Gresele, ADP, Lessa AH, Alves LC, Torres EMO, Vaucher AVA, Moraes AB, Costa MJ. Levantamento e análise de dados de pacientes atendidos em um programa de concessão de aparelhos de amplificação sonora individual. CoDAS 2013; 25(3): 195-201.

Chien W, Lin FR. Prevalence of Hearing Aid Use among Older Adults in the United States. Arch Intern Med. 2012; 172(3): 292–3.

Correia RO, Pinheiro CCD, Paiva FCG, Gomes-Neto PS, Rodrigues TP, Mendonça ATB, Freitas MR. Reabilitação auditiva por aparelhos de amplificação sonora individual (AASI): perfil epidemiológico de pacientes adaptados em um hospital terciário em 5 anos. Rev Med UFC. 2017; 57(2): 26-30.

Roth TN, Hanebuth D, Probst R. Prevalence of age-related hearing loss in Europe: a review. Eur Arch Otorhinolaryngol. 2011; 268(8): 1101-7.

Espmark AK, Rosenhall U, Erlandsson S, Steen B. The two faces of presbyacusis: hearing impairment and psychosocial consequences. Int J Audiol. 2002; 41(2): 125-35.

Jardim, D S; Maciel, F J; Lemos, S M A. Perfil epidemiológico de uma população com deficiência auditiva. Rev. CEFAC. 2016 Maio-Jun; 18(3): 746-57.

Ribas A; Rosa M; Dante G; Martins-Basseto, J. SOS Prótese Auditiva – relato de um estudo de caso realizado na Clínica de Fonoaudiologia da UTP. Tuiuti: Ciência e Cultura, n. 38, p. 09-18, Curitiba, 2006.

Popelka, M. M., Cruickshanks, K. J., Wiley, T. L., Tweed, T. S., Klein, B. E. K., & Klein, R. (1998). Low prevalence of hearing aid use among older adults with hearing loss: The epidemiology of hearing loss study. Journal of the American Geriatrics Society, 46(9), 1075–8.

Freitas CD, Costa MJ. Processo de adaptação de próteses auditivas em usuários atendidos em uma instituição pública federal - parte I: resultados e implicações com o uso da amplificação. Rev Bras Otorrinolaringol 2007; 73(6): 744-51.

Abby McCormack & Heather Fortnum (2013) Why do people fitted with hearing aids not wear them. Int J Audiol. 52: 5, 360-8.

Vera-Genevey H, Lebogang R. Rehabilitation for disabling hearing loss: evaluating the need relative to provision of hearing aids in the public health care system, Disability and Rehabilitation, 41: 22, 2704-7.




DOI: https://doi.org/10.23925/2176-2724.2021v33i2p279-286

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.