A estética de Dewey e a história da arte: três exemplos da antiguidade posterior

Fabio Campeotto, Claudio Marcelo Viale

Resumo


Ainda que a estética de John Dewey tenha sido assunto de uma grande quantidade de estudos conduzidos através de abordagens muito diferentes (filosófica, sociológica, pedagógica, entre outras) há uma ausência de contribuições capazes de reconhecer vínculos entre a estética de Dewey e a história da arte. Neste artigo, analisamos três obras de arte da Antiguidade tardia (séculos III-VI a.C.), principalmente, seguindo os conceitos-chave de Dewey de análise formal e desvio, para reconstruir a experiência estética do autor, o observador e o patrono de cada obra de arte. Nosso propósito é duplo. Primeiro, queremos demonstrar que uma abordagem baseada na teoria de Dewey é frutífera quando se estuda obras de arte antigas. Segundo, queremos demonstrar que uma interpretação pragmatista da arte antiga tardia é mais frutífera e menos reducionista do que as tradicionais (Formalista, Orientalista e Marxista).

Palavras-chave


Estética; Arte antiga tardia; Desvio; Análise formal; História da arte

Texto completo:

PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.23925/2316-5278.2018v19i1p35-55

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Cognitio: Revista de Filosofia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Apoio:

PUC-SP    PIPEq PUC-SP


Idexadores:

Google Scholar    Open Archives Initiative    ROAD

Preservação Digital:

LOCKSS    CLOKSS     KEEPERS    Rede Cariniana