Modelos de gestão: uma revisão da literatura brasileira

Leonardo Fabris Lugoboni, Bruno de Souza Santos, Eduardo Carcelen Machado, Jésus de Lisboa Gomes

Resumo


Esta pesquisa buscou compreender como os modelos de gestão estão sendo abordados pela literatura, qual o conteúdo e estrutura dessas pesquisas e possíveis tendências decorrentes ao modelo de gestão aplicado. Para isso, foram consultadas nas bases Spell e Scielo trabalhos que abordavam modelos de gestão, tanto centralizados como descentralizados. Ao todo foram identificados 152 trabalhos à base Spell e 269 trabalhos à Scielo, num total de 421 trabalhos. Destes 50 trabalhos foram usados a condução desta pesquisa.  Foi possível observar um crescimento nos trabalhos que abordam modelos de gestão. Variáveis como Gestão / Gestão de Pessoas, Organização, Estrutura, Poder e Responsabilidade e Coordenação têm-se mostrado como as variáveis mais presentes. Foi possível observar também uma provável uma tendência de crescimento relacionada ao estudo de modelos descentralizados. Espera-se com essa pesquisa contribuir para uma maior visualização das pesquisas relacionadas à modelos de gestão assim como as perspectivas futuras de pesquisa que pode ser adotadas ou evitadas pelos próximos pesquisadores.


Texto completo:

PDF

Referências


Abernethy, M. A., & Stoelwinder, J. U. 1990. The relationship between organisation structure and management control in hospitals: an elaboration and test of Mintzberg’s professional bureaucracy model. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 3(3), 18-33.

Abreu, A. & Alcântara, R. L. C. 2014. Entendendo a Gestão de Recursos Humanos em Caceias de Suprimentos: Levantamento com o uso de Revisão Sistemática da Literatura. Revista de Administração 12, 100 -128.

Aguiar, A. B. D. & Martins, G. D. A. 2006. A teoria das estruturas organizacionais de Mintzberg e a gestão estratégica de custos: um estudo nas ONGs paulistas. Revista Contabilidade & Finanças, 17: 51-64.

Alford, J. 1995. Towards a New Public Management Model: Beyond "Managerialism" and Its Critics. Thai Journal of Development Administration 35(3): 62-88.

Angelis, C. T. 2013. Uma proposta de um modelo de inovação e inteligência governamental. Revista de Administração e Inovação, 10: 296-324.

Antunes, A. T. & Vivaldini, M. 2018. Cooperativas e prefeituras do estado de são paulo: uma análise da gestão colaborativa nas cadeias de suprimento escolar. Gestão e Planejamento 19: 262-219.

Avelino, G. I. B., Nunes, S. C. & Sarsur, A. M. 2016. Modelo de gestão por competências: a aderência dos gestores para o alcance do desempenho organizacional superior. Economia & Gestão 16: 24-50.

Barry, D. 1991. Managing the bossless team: Lessons in distributed leadership. Organizational dynamics, 20: 31-47.

Bateman, T. S. & Snell, S. A. 2006. Administração: novo cenário competitivo. Atlas. São Paulo.

Bispo, C. M., Gimenez, F. A. P. & Kato, H. T. 2016. Estratégia e capacidades dinâmicas perante o exercício da coopetição: uma abordagem configuracional. Gestão & Planejamento, 17(1): 19-40

Burger-Helmchen, T.; Husler, C.; Muller, P. 2019. Management - Le manuel complet du management. Vuibert. Paris.

Carroll, S. J. & Gillen, D. J. 1987. Are the classical management functions useful in describing managerial work?. Academy of management review, 12(1): 38-51.

Carvalho, D. M., Prévot, F. & Machado, J. A. D. 2014. O uso da teoria da visão baseada em recursos em propriedades rurais: uma revisão sistemática da literatura. Revista de Administração (São Paulo), 49: 506-518.

Crozatti, J. 1998. Modelo de gestão e cultura organizacional: conceitos e interações. Caderno de estudos, 10: 01-20.

Chandler, A. D. 1962. Strategy and structure. MIT Press. Cambridge

Domingues, C. R., Bueno, J. M., Arante, P. P. M., Machado, G. A. & Medeiros, G. N. 201. A transição da estrutura organizacional simples para uma burocracia profissional - o caso da Sempre Bela Cabeleireiros. Revista Ciências Administrativas, 23(3): 400-414.

Drucker, P. F. 2012. What makes an effective executive. in HBR’S 10 must reads. Harvard Business Review, Massachusetts. p. 23-36.

Fayol, J. H. 1917. Administration Industrielle et Généralle – prévoyance, organisation, commandement, coordination, contrôle. H. Dinot et Pinat. Paris.

Ferreira, M. A. A., Valente, R. M., Barros, J. F. S. & Dutra, J. S. 2013. Estrutura organizacional e os impactos de sua mudança no modelo de negócio e no modelo de gestão de pessoas: um estudo de caso no setor financeiro. Revista Eletrônica Gestão e Serviços, 3, 560-586.

French, J. R. P., Jr. & Raven, B. H. 1959. The bases of social power. In Cartwright D. et al. Studies in social power. Institute for Social Research, 1959, Michigan. pp. 150-167.

Gil, A. C. 2017. Como elaborar projetos de pesquisa. Ed. Atlas, São Paulo.

Greenhalgh, T. 1997. How to read a paper: Papers that summarise other papers (systematic reviews and meta-analyses). Bmj, 315 (7109), 672-675.

Guba, E. G., & Lincoln, Y. S. 2005. Paradigmatic controversies, contradictions, and emerging confluences. The Sage handbook of qualitative research: 191-215.

Hofstede, G. Hofstede G. J, & Minkov, M. 2010. Cultures and Organizations: Software of the Mind. McGrawHill. New York.

Joia, L. A., & Ferreira, S. 2005. Modelo de negócios: constructo real ou metáfora de estratégia? Cadernos Ebape. 3(4): 01-18.

Jones, A. M., & York, S. L. 2016. The fragile balance of power and leadership. The Journal of Values-Based Leadership, 9(2): 1-15.

Jones, M. S. 2000. Horizontal management: implementing programs across interdependent organizations. Canadian Public Administration, 43(1): 93-109.

Jussani, A. C., & de Vasconcellos, E. P. G. 2007. Estabelecendo o grau de descentralização da estrutura organizacional: o caso do programa estadual de microbacias hidrográficas. Revista de Gestão, 14(1): 1-12.

Neely, A. 2005. The evolution of performance measurement research: developments in the last decade and a research agenda for the next. International Journal of Operations & Production Management, 25(12), 1264-1277.

Lana, R. D., Paines, P. A., Bonaldo, S. A., & Müller, F. M. 2016. As organizações como fonte de conflitos de poder. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, 9: 506 - 519.

Loch, M., Günther, H. F., de Oliveira Rodrigues, M., Pereira, M. F. & Todesco, J. L. 2010. Proposta de atividades de monitoramento ambiental e inteligência empresarial para o modelo de gestão da Celesc Distribuição SA. Contabilidade, Gestão e Governança, 13(2): 65-77

Maffia, L. F. C. M., Couto, M. H. G., Santos, R. F., Oliva, F. L., de Hildebrand, C. C., & Correa, H. L. 2018. PREMISSAS E BENEFÍCIOS DO MODELO DE GESTÃO COLABORATIVO EM STARTUPS. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 6(1): 71-94.

Medeiros, C. R. O., Wimmersberger, D. A., & Miranda, R. 2015. Revisitando Mintzberg: fatos e folclore no trabalho gerencial pela perspectiva de gestores de uma multinacional. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 8(2): 86-122.

Mintzberg, H., Lampel, J., Quinn, J. B., Sumantra, G. 2014. The strategy process: concepts, contexts, cases. Pearson. New York

Monaco, F. D. F., & Guimarães, V. N. 2007. Creativity and innovation in the context of team-work: an evaluation in the self-management cells and quality control circles of Ambev SC Branch. Brazilian Administration Review, 4(1): 21-34.

O'Shannassy, T. 2003. Modern strategic management: Balancing strategic thinking and strategic planning for internal and external stakeholders. Singapore Management Review, 25(1): 53.

Picchiai, D. 2009. Estratégia, Estrutura e Competências Gerenciais: estudo de uma operadora de plano de saúde, modalidade autogestão. Revista de Ciências da Administração, 11(25): 229-253.

Pinto, I. M. B. S., Brunstein, J., Martins, A. A. C., Desidério, P. H., & Sobrinho, C. A. C. 2016. Systematic review of the literature social entrepreneurship and skills development: an analysis of the past 10 years. International Journal of Innovation, 4(1): 33-45.

Rezende, J. F. & Otsuka, R. A. 2017. Desempenho e papéis gerenciais: estudo de caso em uma organização industrial multinacional com atuação regionalizada no Brasil. Gestão & Planejamento, 18: 516-539

Robbins, S. P. 2002. Administração: mudanças e perspectivas. Saraiva. São Paulo.

Robbins, S. P., & Coulter, M. 2017. Management. Pearson. New York

Rudzki, R. E. J. 1995. The application of a strategic management model to the internationalization of higher education institutions. Higher Education, 29(4): 421-441.

Santos, J. G. C., Calíope, T. S. & Barros Neto, J. D. P. 2017. Sessão especial - Fast Track SEMEAD: Tem ação nessa pesquisa? Um levantamento da pesquisa‐ação como estratégia de pesquisa qualitativa. Revista de Gestão, 24(4): 336-347.

Santos, J. L., Kelm, M. L., & de Abreu, A. F. 2001. Um modelo de gestão por resultados segundo a teoria da agência - um estudo de caso: Banco do Estado de Santa Catarina SA. Revista de Administração, 36(3): 59-69

Schermerhorn, J. R, Jr. 2007. Administração. LTC. Rio de Janeiro

Schmidt, E. & Rosenberg, J. 2014. How Google works. Hachette Book Group, New York.

Strielkowski, W., Shishkin, A., & Galanov, V. 2016. Modern management: beyond traditional managerial practices. Polish Journal of Management Studies, 14 (2): 225-231

Taylor, F. W. 1911. The principles of scientific management. New York. NY: Harper & Brothers.

Vasconcellos, Eduardo. 1989. Estrutura das Organizações. Pioneira. São Paulo.

Velinov, E., Vassilev, V., & Denisov, I. 2018. Holacracy and obliquity: contingency management approaches in organizing companies. Problems and Perspectives in Management, 16(1): 330-335.

Warren, C. & Campbell, M. C. 2014. What makes things cool? How autonomy influences perceived coolness. Journal of Consumer Research. 41(2): 543-563

Weber, M. 1966. Sociologia da burocracia. Zahar. Rio de Janeiro

Weber, M. 1999. Economia e sociedade: Fundamentos da Sociologia Compreensiva. Universidade de Brasília. Brasília.

Whetten, D. A. & Cameron, K. S. 1983. Management skill training: A needed addition to the management curriculum. Exchange: The Organizational Behavior Teaching Journal, 8(2): 10-15.

Wu, Y. C. 2010. An exploration of substitutes for leadership: Problems and prospects. Social Behavior and Personality: an international journal, 38(5): 583-595.




DOI: https://doi.org/10.23925/cafi.v3i1.45651

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

A Revista CAFI apoia a Declaração de São Francisco sobre Avaliação de Pesquisa (DORA)

 Cirad assina a Declaração de São Francisco sobre a avaliação da pesquisa (DORA). Logo da iniciativa DORA



Indexadores

Conforme Qualis único de  2017-2018 (divulgado em 2019)


 

 

 

logo

 

Diretórios 

 

 

 

 

 

Creative Commons

 

A Revista Cafi adota a licença do CC-BY Creative Commons Attribution 4.0

 


ISSN 2595-1750