O IRPF como parte da grade curricular dos cursos de graduação em Ciências Contábeis das instituições de ensino superior do estado de São Paulo

Tatiana Moraes de Oliveira Santos, Alexandre Gonzales

Resumo


A pessoa física, como parte importante do processo de arrecadação de impostos do Estado, poderia melhor planejar e organizar seu patrimônio a fim de tornar menos onerosa a carga tributária, dentro da legalidade. A sociedade presume que os profissionais com conhecimento para tanto sejam os graduados em Ciências Contábeis, entretanto não se sabe até que ponto as IES capacitaram este profissional. Com base nisso, o problema de pesquisa respondido ao longo do trabalho foi: Como as Instituições de Ensino Superior abordam o tema IRPF/DIRPF durante o curso de graduação em ciências contábeis? A pesquisa teve caráter qualitativo, cuja coleta de dados se deu através de entrevistas com as quatro instituições de ensino privadas que possuem os melhores cursos de ciências contábeis do Estado de São Paulo – quesito qualidade de ensino – segundo o ranking universitário da Folha de 2017. O trabalho permitiu concluir que posicionamento adotado pelas IES avaliadas cria atualmente um vácuo no mercado local no que tange o tema e que pode ser absorvido por profissionais de outras áreas. Mudanças nas abordagens das IES poderiam apresentar aos alunos uma nova opção de atuação no mercado.


Texto completo:

PDF

Referências


Altbach, P, & Teichler, U. (2001). Internationalization and Exchanges in a Globalized University. Journal of Studies in International Education, 5(1), 5-25.

Alves, L.F., & Benegas, M. (2014, jul/dez). Uma análise sobre o efeito final do ICMS e do IRPF na distribuição de renda do estado do Ceará. Planejamento e políticas públicas (ppp), 43, 61-89.

Andrade, M. M. de. (2003) Introdução à Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo, SP: Atlas.

Arenhard, R.L., Niveiros, S. I., Oliveira, J. R., & Silva, S. P. (2012, 05 de dezembro). Análise do Conhecimento dos docentes da UFMT/Campus Rondonópolis sobre IRPF. I seminário de contabilidade da FACE-UFG. Goiânia, GO.

Bardin, L (1979) Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70.

Bevilaqua, C. (1998). Imposto de Renda e contribuintes de camadas médias: notas sobre a sonegação. Cadernos de Campo (USP), 7(7).

Brito, C. A. O., Castro, R. C. S., & Echternacht, T. H. S. (2009, abr/jun). Desenvolvimento de habilidades e competências para a prática contábil: uma pesquisa empírica numa instituição pública brasileira. RIC - Revista de Informação Contábil, 3(2), 61-82.

Cassone, V. (2004). Direito tributário: fundamentos constitucionais da tributação, classificação dos tributos, interpretação da legislação tributária, doutrina, prática e jurisprudência, atualizado até a EC nº 42, de 19-12-2003. 16ª ed. São Paulo, SP: Atlas.

Deodato, A. (1987). Manual de ciência das finanças. 21. ed. São Paulo, SP: Saraiva. Fabretti, L. C. (2006). Código tributário nacional comentado. 6ª ed. São Paulo, SP: Atlas. Fabretti, L. C. (2007). Contabilidade tributária. 10ª ed. 2ª. Reimpr. São Paulo, SP: Atlas.

Gallicchio, V. S. (2007). Administration of an Innovative Program of International Cooperation: success across the pond. Journal of Research Administration, 38(2), 78-85.

IBPT – Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação. (2017). CNPL: Brasil é o País que proporciona pior retorno em serviços públicos à sociedade. Curitiba, PR. Recuperado de https://ibpt.com.br/noticia/2595/CNPL-Brasil-e-o-Pais-que-proporciona-pior-retorno-em- servicos-publicos-a-sociedade.

Instrução Normativa RFB nº 1.794. (2018, 23 de Fevereiro). Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física referente ao exercício de 2018, ano-calendário de 2017, pela pessoa física residente no Brasil. Brasília, DF: Receita Federal do Brasil.

Malhotra, N. K. (2001). Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. (N. Montigelli Júnior, & A. A. de Farias, trad.). 3ª Edição. Porto Alegre, RS: Bookman.

Nova, S. P. C. C., & Machado, V. S. A. (2008, jan/abr). Análise comparativa entre os conhecimentos desenvolvidos no curso de graduação em contabilidade e o perfil do contador exigido pelo mercado de trabalho: Uma pesquisa de campo sobre educação contábil. REPeC - Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, Brasília, 2(1), 1-23.

Receita Federal do Brasil. (2000). Análise Econômica da DIRPF 1999. Brasília, DF. Recuperado de http://idg.receita.fazenda.gov.br/dados/receitadata/estudos-e-tributarios-e- aduaneiros/estudos-e-estatisticas .

Receita Federal do Brasil. (2019). IRPF (imposto sobre a renda das pessoas físicas). Brasília, DF. Recuperado de http://idg.receita.fazenda.gov.br/acesso-rapido/tributos/irpf-imposto-de- renda-pessoa-fisica#calculo_mensal_IRPF.

Roesch, S. M. A. (1999). Projetos de Estágio e de Pesquisa em Administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de caso. 2. ed. São Paulo, SP: Atlas.




DOI: https://doi.org/10.23925/cafi.v2i2.40910

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

A Revista CAFI apoia a Declaração de São Francisco sobre Avaliação de Pesquisa (DORA)

 Cirad assina a Declaração de São Francisco sobre a avaliação da pesquisa (DORA). Logo da iniciativa DORA



Indexadores

Conforme Qualis único de  2017-2018 (divulgado em 2019)


 

 

 

logo

 

Diretórios 

 

 

 

 

 

Creative Commons

 

A Revista Cafi adota a licença do CC-BY Creative Commons Attribution 4.0

 


ISSN 2595-1750